Share

Spotlight: Bed Bath & Beyond Inc.(BBBY)

Uma marca que já foi sinônimo de uma loja com tudo para sua casa e de ótimos preços, a Bed Bath & Beyond agora luta para fazer a transição de um negócio de varejo físico em um mundo onde o comércio eletrônico reina. O turn around vai dar certo ou a empresa vai afundar? Analisamos a empresa no Spotlight de hoje.

Uma loja onde você pode comprar toalhas de algodão egípcio, roupas de cama de qualidade e algumas outras comodidades para sua casa pode não parecer um tipo de negócio revolucionário. Mas nos anos 70, quando lojas de departamento gigantescas como Sears e Macy’s (M) dominavam o setor de varejo nos Estados Unidos, era preciso pensar fora da caixa para prever o surgimento de um novo modelo de negócios.

Foi exatamente isso o que Warren Eisenberg e Leonard Feinstein fizeram. Trabalhando em uma loja de departamento nos anos 60, os dois sócios viram a maioria das armadilhas que essas empresas enfrentavam: falta de especificidade nos produtos, necessidade de gerenciar grandes quantidades de estoque e margens de lucro extremamente comprimidas, pressionadas pela acirrada concorrência por preços menores. Acreditando que o futuro do varejo seria as lojas especializadas, em 1971 fundaram a Bed Bath & Beyond (BBBY).

Ascensão

Abrindo sua primeira loja em Nova Jersey sob o nome de Bed'n'Bath e depois se espalhando pelos EUA, a empresa foi um sucesso e rapidamente se tornou parte do cotidiano da vida de milhões de americanos. A loja seria até imortalizada em um dos papéis mais famosos de Adam Sandler, no filme Click, de 2006. A loja onde seu personagem Michael Newman compra o poderoso controle remoto capaz de pausar, avançar e rebobinar sua vida é adquirido na Bed Bath & Beyond.

Em seu auge, a Bed Bath & Beyond detinha mais de 1.512 lojas e receita bem acima de US$ 12,1 bilhões. Um dos impulsionadores de seu crescimento ainda existe até hoje: um cupom de 20% de desconto que costumava inundar caixas de correio em toda a América. Os cupons pretendiam atrair as pessoas para as lojas e garantir que elas não saíssem sem comprar pelo menos um item. Atualmente, ainda pode ser encontrado no site da empresa.

E Queda

Após seu IPO em 1992, a Bed Bath and Beyond cresceu desenfreadamente, eventualmente acumulando um valor de mercado superior a US$ 16,7 bilhões em 2012. No entanto, se os fundadores Eisenberg e Feinstein previram o aumento de lojas especializadas, eles não conseguiram prever a ascensão do ecommerce e a queda das lojas físicas. E se eles conseguiram ver o comércio eletrônico chegando, eles pelo menos não conseguiram competir adequadamente.

Desde seu pico em 2018, a receita vem caindo consistentemente ao longo dos anos, passando de US$ 12,3 bilhões em 2016 para US$ 9,3 bilhões em 2021. Quando você olha para o lucro líquido, os números são ainda piores: caindo de US$ 841 milhões em 2016 para US$ -150 milhões negativos em 2021 devido ao aumento das despesas operacionais.

Muitos erros foram cometidos ao longo da vida da empresa. Por um lado, a maioria das aquisições da Bed Bath & Beyond parece não ter sinergia com a marca. Atualmente, as três marcas mais populares da empresa são a Harmon, que vende produtos de beleza; a Decorist, que vende serviços de design de interiores e a buybuyBABY, uma loja de varejo que vende roupas, carrinhos e outros itens voltados para o cuidado de crianças pequenas.

Os setores em que as empresas adquiridas atuam não foram a única preocupação dos investidores, no entanto. O que mais assustou os investidores foi o fato de a buybuyBABY, adquirida por US$ 86 milhões em 2007, tenha sido fundada pelos filhos do cofundador da Bad Bath & Beyond, Leonard Feinstein. E nesse mesmo ano, a empresa pagou US$ 1 milhão para adquirir a Chef Central, uma varejista de produtos de cozinha fundada pelo filho do cofundador do BBBY Warren Eisenberg. A desconfiança sobre a governança da empresa aterrorizou o mercado, mas esse não foi o único problema.

Indo além de apenas Bed'n'Bath, a empresa foi vítima de alguns dos mesmos perigos que as lojas de departamento enfrentavam: ter que lidar com enormes quantidades de estoque, manter lojas gigantescas e ter suas margens comprimidas pela concorrência. Alguns até dizem que seu cupom de desconto de 20% desempenhou um papel importante nisso, reduzindo as margens de clientes fiéis sem conseguir atrair novos clientes de forma consistente.

Todas essas coisas combinadas levaram a Bed Bath & Beyond a uma enorme dívida, totalizando US$ 3,16 bilhões no segundo trimestre de 2022. Com apenas US$ 107 milhões em caixa, isso transformou a BBBY em uma empresa extremamente alavancada, com uma relação dívida/caixa de apenas US$ $ 0,03, o que significa que, para cada dólar que deve, a Bed Bath & Beyond tem apenas três centavos para pagar.

O Pump

À medida que a terrível situação financeira se alastrava pela empresa, a Bed Bath & Beyond se tornou uma das 10 ações mais vendidas a descoberto em janeiro de 2021. Com o short interest da BBBY avançando acima de 28% do float na época, era a configuração perfeita para o fenômeno que tomaria Wall Street de surpresa: o short-squeeze das meme stocks. Assim como a GameStop (GME), AMC (AMC) e outras ações discutidas no r/wallstreetbets, a BBBY disparou, subindo mais de 98% apenas em janeiro de 2021. O movimento inicialmente reverteu à média, mas essa não seria o último pump da empresa.

Tornar-se uma meme stock não seria a única coisa que Bed Bath & Beyond teria em comum com a GameStop. Eventualmente, as duas empresas também compartilhariam um acionista muito importante: Ryan Cohen, presidente da GameStop. Em janeiro de 2022, Cohen começou a comprar ações da BBBY, gerando certo otimismo, já que ele era o homem que deveria liderar o turn around da GameStop e poderia fazer o mesmo pela Bed Bath & Beyond.

Se você acha que o otimismo em torno do investimento de Cohen foi construído em terreno instável, pense novamente: o presidente da GameStop até nomeou três membros do conselho para a BBBY e acabaria detendo mais de 10% da empresa. Em agosto de 2022, quando o short interest da BBBY subiu para mais de 42% do total de ações em circulação, as ações dispararam novamente, subindo mais de 89% em um mês extremamente volátil. E quando as ações subiram, Cohen vendeu. Em 17 de agosto, o CEO da GME fecharia sua posição na Bed Bath & Beyond em mais de US$ 68 milhões a um preço médio de US$ 22,88 por ação, obtendo lucros superiores a +49,1% considerando seu preço médio de compra de US$ 15,34.

Se Ryan Cohen apenas mudou sua posição sobre as perspectivas da empresa ou se isso foi apenas mais um esquema de pump & dump orquestrado pelo executivo e outras pessoas, continua a ser investigado pelas autoridades. Mas, como se pode imaginar, dizer que os investidores não ficaram satisfeitos seria um eufemismo.

A retomada?

Apesar da controvérsia em torno da recente movimentação dos preços e de acionistas entrando e saindo da companhia, por trás das cortinas, um trabalho importante continua sendo feito. O conselho da Bed Bath & Beyond está trabalhando para reduzir custos e melhorar o caixa da empresa, fechando mais de 150 lojas de baixas vendas somente em 2022. Com 762 lojas operando nos EUA, Canadá e Porto Rico, isso equivaleria ao fechamento de quase um quinto de todas as lojas, número que já vem caindo em relação ao recorde histórico de 1.552 lojas em 2018. Esses fechamentos devem economize até US$ 250 milhões no ano fiscal de 2022.

Os gastos de capital também estão caindo, de US$ 400 milhões para US$ 250 milhões no ano fiscal de 2022, à medida que a empresa se concentra em melhorar suas ofertas digitais e interrompe a reforma de lojas antiga e a abertura de novas. Para que a Bed Bath & Beyond sobreviva, as lojas físicas devem ser postas em segundo plano à medida que o foco muda para o comércio eletrônico.

Embora a dívida líquida da empresa seja de US$ 3,16 bilhões, apenas US$ 334 milhões são de curto prazo de vencimento. Esse é, sem dúvida, um número grande, mas se a tarefa de manter liquidez suficiente para atender aos acordos parecia hercúlea, ela pode não ser tão difícil quanto se pensava. A taxa de juros efetiva da dívida da BBBY é de 2,07%, muito abaixo das taxas de juros atuais no momento da escrita deste artigo. A empresa também vem trabalhando incansavelmente para melhorar suas condições de liquidez.

A Bed Bath & Beyond não apenas garantiu mais de US$ 500 milhões por meio de empréstimos com garantia de ativos, mas também está se preparando para uma emissão de até 12 milhões de ações, oferecendo opcionalidade para a empresa melhorar seu status de liquidez, reduzir sua alavancagem ou até mesmo reinvestir em seus negócios, caso o ambiente de mercado pareça favorável. Embora ainda não se saiba se a companhia conseguirá evitar a falência, uma coisa é certa: a Bed Bath & Beyond não vai sair de cena sem lutar.

Clique aqui para acessar as ações disponíveis na Stake.


Não tem o app da Stake?

Saia na frente! Ganhe uma ação da Nike, Dropbox, GoPro ou uma ação surpresa se você fizer um depósito mínimo de R$1.000 nas primeiras 24h após a abertura da conta.


Relacionados


Stake logo
Esse ambiente virtual é gerido por uma companhia brasileira (Ativa Investimentos) e uma companhia Australiana (Stake), estando sujeito à regulação de diversas jurisdições. Para maiores informações clique aqui.
A Stakeshop Pty Ltd. (“Stake”) é autorizada a funcionar na Austrália sob o registro regulatório ACN n. 610 105 505 perante a Australian Securities and Investments Commission. A Stakeshop Pty Ltd., empresa australiana que presta seus serviços a partir da Austrália, não está autorizada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a oferecer diretamente serviços de distribuição de valores mobiliários a investidores residentes, domiciliados ou incorporados na República Federativa do Brasil. Nada aqui deve ser entendido como uma oferta direta de serviços endereçados a esses investidores. Nos termos do parecer de orientação CVM n. 33 de 30.09.2005, entidades estrangeiras reguladas em seus respectivos países (como a Stake) que desejarem ofertar seus serviços de intermediação a clientes residentes no Brasil devem contratar um intermediário devidamente autorizado pela CVM. Nesse sentido, a Stakeshop Pty Ltd. contratou a Ativa Investimentos S.A. Corretora de Títulos, Câmbio e Valores para conduzir a sua oferta de serviços a residentes no Brasil, respeitando assim as diretrizes apontadas pela Comissão de Valores Mobiliários do Brasil. Por se tratar de investimento realizado diretamente nos Estados Unidos da América por meio da Stakeshop Pty Ltd. e da Ativa Investimentos S.A. Corretora de Títulos, Câmbio e Valores, o investidor dever ter conhecimento do idioma e da regulação local. Os serviços prestados pela Stakeshop Pty Ltd., Ativa Investimentos S.A. Corretora de Títulos, Câmbio e Valores, e demais parceiros das companhias no exterior e no Brasil, não devem ser entendidos como uma oferta de valores mobiliários direcionados a esses investidores. Os investidores residentes, domiciliados ou incorporados na República Federativa do Brasil que se tornaram ou venham a se tornar clientes da Stakeshop Pty Ltd. por meio da Ativa Investimentos S.A. Corretora de Títulos, Câmbio e Valores podem entrar em contato no seguinte endereço eletrônico: stake@ativainvestimentos.com.br. Os investimentos oferecidos pela Stakeshop Pty Ltd. e administrados pela DriveWealth LLC. são protegidos pelo regulador americano (i.e., SIPC) em valores até US$ 500.000 (incluindo US$ 250.000 em solicitações de pagamento em dinheiro). Verifique as condições gerais no site www.sipc.org. Lembre-se de que, embora a diversificação possa ajudar a espalhar riscos, ela não garante lucro nem protege contra perdas. Sempre existe o potencial de perder dinheiro quando você investe em valores mobiliários ou outros produtos financeiros. Os investidores devem considerar cuidadosamente seus objetivos e riscos de investimento antes de investir. O preço de um determinado título pode aumentar ou diminuir com base nas condições do mercado e os clientes podem perder dinheiro, incluindo seu investimento original. As informações fornecidas neste site são de natureza geral e não pretendem substituir um aconselhamento individualizado e específico sobre impostos, leis ou planejamento de investimentos. Os investidores devem se informar e, quando apropriado, consultar um profissional sobre possíveis consequências fiscais associadas à oferta, compra, posse ou alienação de ações de acordo com as leis de seu país de cidadania, residência, domicílio ou incorporação. Alterações legislativas, administrativas ou judiciais podem modificar as consequências tributárias e, como é o caso de qualquer investimento, não há garantia de que a posição fiscal ou a posição tributária proposta que prevalece no momento em que um investimento é realizado durará indefinidamente. Nada neste site deve ser considerado uma oferta, recomendação, solicitação de oferta ou conselho para comprar ou vender qualquer título. Veja todos os avisos importantes sobre investimentos. A marca Stake está registrada na Austrália sob as classes 9 e 36. A Stakehop Pty Ltd. está registrada com CNPJ número 31.334.703/0001-80. Para mais informações sobre a Ativa, clique aqui.

Copyright © 2022 Stake. All rights reserved.