Share

Otimista Oficial: “Antes a gente imaginava que investir no exterior era só pra rico ou milionário. Hoje é muito simples. Com R$100 dá para investir nas melhores empresas do mundo.”

O De Olho em Wall Street desta semana é com o fundador da página Otimista Oficial, o primeiro perfil de entretenimento e finanças do Brasil. Não perca!

Um copo pela metade está meio cheio ou meio vazio? Para o Otimista Oficial, ele está sempre meio cheio.

 

É essa a perspectiva que a página de Instagram de mesmo nome tenta trazer para o mundo da economia, já que, segundo ela mesma, o Otimista Oficial é o primeiro perfil de entretenimento e finanças do Brasil. É com esse olhar positivo que a página, criada em 2019, analisa e ensina sobre o mercado financeiro.

 

Conversamos com o fundador da página para entender por que ele quis olhar para o mercado financeiro dessa forma e como ele enxerga investimentos no exterior. Confira!

 

Como começou a investir?

 

Sempre trabalhei com compra e venda, porém, investir em ações era algo um pouco distante pra mim, pois acreditava que conseguiria resultados melhores  trabalhando. Mas sabia que precisaria de algo diferente para não depender apenas do meu trabalho.

 

Foi então que, no final de 2018, comecei a consumir muito conteúdo sobre investimentos, a ler livros, ver vídeos e pesquisar bastante sobre o tema. Foi nessa época que surgiu a ideia de criar o perfil Otimista.

 

No meu círculo de amizades ninguém investia nem conversava sobre o assunto. Foi só depois que comecei a investir que entrei em um grupo no Whatsapp com vários investidores experientes, com muitos anos de bolsa. Lá eles falavam muito sobre buy and hold e me ajudaram a ficar com a cabeça no lugar.

 

Qual caminho indica para quem quer começar a investir?

 

Acredito que o melhor caminho para quem quer iniciar e não entende absolutamente nada é buscando informações pelo Youtube e em outras redes sociais, como Twitter e Instagram. Nos últimos anos, surgiram muitos influenciadores que postam conteúdos diariamente. Isso facilita muito a vida do iniciante, já que eles têm uma linguagem mais acessível, sem muitos termos técnicos.

 

Gosto muito de uma frase que diz que “a simplicidade é o último grau da sabedoria”. Quando vejo alguém que só fala termos técnicos, até pulo, deixo isso para os acadêmicos.

 

Você investe no exterior? Pensa que investir fora do Brasil também é possível para quem não tem muita experiência de mercado?

 

Invisto no exterior sim. Antigamente, a gente imaginava que para investir no exterior você tinha que ser rico ou milionário. Hoje é muito fácil investir no exterior. Depois que você aprende e vê a facilidade, sabe que com R$100 você pode investir nas melhores empresas do mundo. É muito simples.

Quais as principais vantagens de investir fora? 

 

A possibilidade de ser sócio das melhores empresas do mundo. Quando você fica restrito ao Brasil, não encontra a oportunidade de ser sócio da Apple, Coca-Cola, Disney, Google, Meta (Facebook).

 

A perspectiva para a economia mundial para este ano é de otimismo?

 

Quando invisto, não fico muito preocupado com as perspectivas para o ano. Prefiro olhar para as empresas e estar sempre comprando. De toda forma, não acredito que as perspectivas sejam positivas para este ano. Isso não mudará, no entanto, minha forma de investir.

 

Em qual setor você está mais atento hoje no mercado americano? Alguma dica especial?

 

Não invisto olhando o cenário macro, gosto de comprar alguns setores. Invisto no setor de infraestrutura e no educacional, por exemplo. Grande parte dos meus investimentos no exterior está na empresa do Warren Buffett (Berkshire Hathaway), mas também invisto no setor de tecnologia da China.

 

Que fatores externos podem afetar o mercado e, portanto, precisamos ficar atentos neste ano?

 

Para quem gosta de analisar um cenário mais amplo, deve ficar ligado na alta das taxas de juros nos EUA.

Devemos ficar otimistas com o valor do dólar este ano?

 

Dólar é um negócio complicado de prever. Gosto muito da frase do Ray Dalio: “quem tenta prever o futuro com bola de cristal, está fadado a comer caco de vidro”.

 

Como eu não sei, e não tento saber para onde o dólar vai, prefiro usar a estratégia do Dollar-Cost Averaging, que nada mais é do que fazer compras periódicas e, assim, alcançar um preço médio ao longo do tempo. Acho que essa estratégia é a que funciona melhor, além de deixar o investidor dormir tranquilo com a volatilidade.

 

 

*Esse conteúdo é apenas para informação e não deve ser entendido como uma oferta ou recomendação de investimentos. Performance passada não garante resultados futuros. As opiniões expressadas nesse artigo são do entrevistado e não representam necessariamente a opinião da Stake.


Não tem o app da Stake?

Saia na frente! Ganhe uma ação da Nike, Dropbox, GoPro ou uma ação surpresa se você fizer um depósito mínimo de R$1.000 nas primeiras 24h após a abertura da conta.


Relacionados