1. The Stake Desk
  2. De Olho em Wall Street
  3. Iluminando o caminho do investidor com Tiago Reis

Iluminando o caminho do investidor com Tiago Reis

Conversamos com Tiago Reis, fundador e CEO da Suno Research, consultoria de análise financeira voltada para investidores pessoa física. “Iluminar o caminho do investidor”. Foi este o objetivo de Tiago Reis ao fundar, no início de 2017, a Suno Research. A luz, que Tiago Reis queria trazer com sua empresa, é basicamente uma: informação de qualidade e acessível para todos, incluindo pessoas físicas, e não somente grandes investidores.

Ao tornar mais acessível e desmistificar os investimentos, Tiago viu não só a Suno Research crescer, como ele próprio se tornar um verdadeiro fenômeno nas redes sociais. Especialista em mercado financeiro com mais de 15 anos de experiência, hoje Tiago Reis conta com um exército de mais de 1,6 milhões de seguidores no Instagram, 436 mil inscritos no seu canal do Youtube e 131 mil fãs no Twitter. Confira a entrevista completa:

Como começou a sua história com investimentos? 

Comecei a investir em 2003, com 17 anos. Meu pai possuía um clube de investimentos parado e comecei a tocar esse clube. Como ele já trabalhava com investimentos, e eu sempre tive essa presença dentro de casa, isso ajudou na jornada.

Com relação ao exterior, sempre gostei de ler as cartas de investimentos de grandes gestores e, em uma dessas cartas, vi uma posição de um gestor em Apple. Fui analisar a empresa e enxerguei uma boa oportunidade, logo próximo do falecimento do Steve Jobs, em 2011.

A Suno Research nasceu com qual objetivo? Como você teve a ideia da empresa?

Eu havia acabado de vender minha participação em uma gestora e queria criar algo que gerasse impactos positivos na sociedade. Suno vem de Sol, em esperanto, e a Suno nasceu para iluminar o caminho do investidor em um mercado ainda não muito explorado pela pessoa física no Brasil.

Como é possível construir uma carteira de ações segura e rentável?

Existem diversos estudos que apontam excelentes retornos no mercado acionário em relação a outras classes de ativos. Para conseguir tais retornos, deve-se procurar boas empresas e analisar capacidade de gestão, vantagens competitivas, potencial de crescimentos,  resultados financeiros, os riscos e Valuation.

Em meio a mais de 6.000 ações listadas no mercado americano, o investidor às vezes tem dificuldade de saber em qual companhias investir. Você acredita que ETFs podem auxiliar o investidor que está iniciando nesta jornada? 

ETFs fazem parte do futuro da indústria e já é um movimento que ocorre massivamente na indústria. O ETF, sem dúvida, entrega uma diversificação (fora os ETFs temáticos) com uma baixa taxa de administração. Acredito que, cada vez mais, veremos produtos do gênero no Brasil e no exterior.

Ainda pensando no mercado americano, quais setores você considera fundamentais para o investidor ter em carteira?

Sempre acredito na diversificação da carteira de investimentos. Quando olhamos para os EUA, vemos um setor tech muito forte que, raramente, se vê em outros países. Um dado interessante é olhar a concentração do S&P 500 em Microsoft, Google, Apple, Facebook e Amazon.

A Suno é uma grande defensora de investimentos em fundos imobiliários. Qual a sua opinião sobre os REITs, o equivalente americano aos FIIs? Tem algum setor preferido neste segmento do mercado?

Eu acho bastante interessante o Yale Model, modelo de asset allocation idealizado pelo endowment da universidade de Yale. O conceito central consiste no investimento em classes de ativos de renda variável descorrelacionados entre si, e o segmento de Real Estate faz parte da carteira do modelo. Dito isso, acredito que o investimento em REITs entre nesse sentido no segmento de real Estate. Existem algumas diferenças dessa classe de ativos para os FIIs no Brasil, como a tributação por exemplo.

Investir em renda variável, e até mesmo no exterior, é mais fácil do que era no passado? Por quê?

Hoje, tem-se uma barreira menor para investimentos no exterior do que antes, com a maior educação feita para a pessoa física, que a Suno, por exemplo, tem ajudado a desmistificar bastante.

Qual a importância da tecnologia na democratização do investimento?

A tecnologia, quando alinhada com a inovação, é bastante benéfica para quebrar barreiras de entrada em alguns segmentos. Dito isso, no setor de investimentos em específico, acredito que temos visto um salto no número de investidores devido à amplificação da educação financeira, que se deu em grande parte com o avanço da tecnologia e mídias sociais. A Suno, em específico, tem uma presença marcante em tais canais.

 

*Esse conteúdo é apenas para informação e não deve ser entendido como uma oferta ou recomendação de investimentos. Performance passada não garante resultados futuros. As opiniões expressadas nesse artigo são do entrevistado e não representam necessariamente a opinião da Stake.


Relacionados