Share

Um estouro!

Organizar um churrasco, vestir roupas íntimas coloridas e contar até a meia-noite. Pessoas com diferentes tradições se reúnem em todo o planeta para comemorar a chegada do Ano Novo, mas nada o simboliza o réveillon melhor do que o evento mais aguardado de todos: a queima de fogos.

Como um festival ao ar livre de grande escala, as comemorações do Ano Novo reúnem moradores e turistas de todo o mundo – especialmente onde os fogos de artifício são a atração principal. Do porto de Sydney à praia de Copacabana, parques e praias se enchem de milhões de pessoas esperando pelos fogos de artifício do ano novo.

Surgindo com origens humildes como uma simples tradição chinesa para afastar os maus espíritos, os fogos de artifício evoluíram para se tornar uma expressão universal de celebração e felicidade. O que a maioria das pessoas não percebe é que os shows de fogos de artifício também se tornaram um gerador de receita para muitos países e empresas.

À medida que os turistas viajam para ver os fogos, eles geram uma fonte significativa de receita para a indústria de viagens (como American Airlines (AAL) e Booking Holdings (BKNG), indústria de hospitalidade (por exemplo, Marriott (MAR). Os efeitos do turismo geram mais atividade econômica e fornecem renda para as comunidades locais.

Aproveitando isso, os governos aumentaram seus orçamentos gastos em fogos de artifício do réveillon. Nova York, por exemplo, gasta cerca de US$ 6 milhões em fogos de artifício no evento. Da mesma forma, Dubai gastou US$ 6 milhões em seu réveillon de 2014, que quebrou o recorde mundial de maior exibição pirotécnica. Sydney, conhecida por ter um dos melhores shows de fogos de artifício do mundo, gasta aproximadamente AUD 7 milhões em sua exibição de 20 minutos, enquanto a queima de fogos de Copacabana e outros locais turísticos do Rio de Janeiro custa mais de R$15 milhões.

Embora os retornos para a maioria dos países não sejam publicados, foi anunciado que Sydney arrecada mais de US$ 130 milhões em receitas. Com um retorno superior a 18 vezes, podemos imaginar quanto outros destinos ganham. Não podemos esquecer que esses grandes eventos também fornecem receitas fiscais para o país e aumentam a demanda pela moeda local.

Até hoje, a China continua sendo o maior exportador de produtos pirotécnicos por uma margem exponencial. E com razão. Estamos felizes por eles terem inventado fogos de artifício.