Share

The Wrap: O retorno do tesouro?

Política de contenção da inflação desenhada pelo FED deixa títulos do tesouro americano mais atrativos

O retorno do tesouro?

As expectativas quanto à próxima reunião do Federal Reserve estão deixando investidores animados. Isso porque tudo indica que os rendimentos do Tesouro dos Estados Unidos devem crescer por conta da alta dos juros, que têm subido para tentar controlar o aumento dos preços ao consumidor – o maior em 40 anos.

 

Segundo especialistas, o aumento rápido dessas taxas poderia ser feito em saltos de 50, 75 e até mesmo 100 pontos-base, ou um ponto percentual (1%). O que pode ser observado é que com a inflação em patamares recordes, especialistas debatem se a economia norte-americana ainda se mostra sólida e se o risco de uma recessão é algo iminente. 

 

A posição do Fed provavelmente será agressiva, forçando a curva de juros do Tesouro para cima, adaptando-se à inflação e dando uma injeção de adrenalina no mercado. Apesar da mudança de cenário, os preços dos títulos do tesouro americano mostram que os rendimentos reais batem marcas cada vez melhores.

 

Os TIPS (títulos do tesouro atrelados à inflação) de 10 e 5 anos, por exemplo, atingiram suas maiores taxas desde 2019 e 2020, batendo 0,74% e 0,50% a.a, respectivamente. Enquanto isso, os papéis do Tesouro americano de 10 anos chegaram à taxa de 3,44%, maior número desde abril de 2011.

 

Forçando o crescimento

 

A agressividade do Fed para conter a inflação trouxe retornos negativos para os títulos em 2022, o que fez com que os rendimentos de longo prazo convergissem para uma alta este mês.

 

Apesar de quatro primeiros meses difíceis, com perdas e uma inflação que não parecia estar próxima de ser contida, o mês de maio trouxe bons ares para os investidores. O iShares 20+ Year Treasury Bond ETF (TLT) ainda não conseguiu fechar o primeiro ganho mensal do ano, o que aliás não acontece desde novembro de 2021.

 

Neste cenário, os ETFs de renda fixa dos EUA possam apresentar bons retornos mesmo a médio prazo, caso o dragão da inflação seja domado. Esse é o grande desafio: se considerarmos os títulos de 20 anos do tesouro americano que compõem o TLT, por exemplo, os títulos passam pelo seu pior momento histórico, acumulando uma perda de -29,9% de agosto de 2020 até hoje.

 

Historicamente, desde 1973, os títulos deste prazo costumam apresentar retornos positivos em cerca de 58% dos meses, com retorno anual médio de 7,62%. Já os TIPS, protegidos pela inflação têm um histórico positivo em 66% dos meses, mas seu retorno médio é inferior: de 6,22% ao ano.

 

Se estes retornos irão voltar a fazer parte do cotidiano do investidor em renda fixa dos Estados Unidos ainda é uma incógnita, mas a queda nos preços já chama a atenção de investidores que ainda acreditam que o cenário de alta da inflação nos EUA possa ser transitória.

 

 

*Esse conteúdo é apenas informativo e não deve ser entendido como uma oferta ou recomendação de investimentos.


Não tem o app da Stake?

Saia na frente! Ganhe uma ação da Nike, Dropbox, GoPro ou uma ação surpresa se você fizer um depósito mínimo de R$1.000 nas primeiras 24h após a abertura da conta.


Relacionados